FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE
Cidade

Laudo vencido é prejuízo dobrado

por
Lucy Andrade
Publicada em 19/12/2009 03:04:31

Os ponteiros pararam para os candidatos a motoristas que não “aceleraram” e terão que dar “ré” e comprar outro laudo e pagar tudo de novo. Por causa do jeitinho brasileiro de deixar tudo para última hora, mais de três mil aspirantes a motoristas deixaram o laudo do Detran vencer e terão um prejuízo em torno de R$ 800, a depender da autoescola para se candidatar novamente. Mesmo com quatro mutirões realizados pelo órgão, sendo que o último é hoje, no final de linha da Ribeira,  muitos candidatos não conseguiram marcar as provas práticas e terão que comprar novos laudos - fazer exames médicos e cursar novamente, como determina o Conselho Nacional de Trânsito(Contran).

O problema foi desencadeado em 2008, com as modificações na resolução 258/8, do Contram, que trouxe um bojo de alterações, como aumento da carga horária das aulas e 100% a mais no valor das autoescolas, que antes custavam R$350 e passaram para R$ 700. Essas mudanças lotaram as redes de emissão de laudos em todo estado, na Bahia foram emitidos 80.621, em Salvador 22.622, sendo que 85% dos candidatos só procuraram os centos de credenciamentos para fazerem os exames há três meses, tempo insuficiente para atender à extensa demanda.

O estudante de fisioterapia, Felipe Chaves Mello, 20 anos, é um dos candidatos que não viu o tempo passar, e amargará um prejuízo de R$885 – com gastos com a compra do novo laudo (R$65), realização dos exames médicos e psicoteste (R$120), além das aulas teóricas e práticas na auto-escola, que custam R$700, se quiser tirar o carro da garagem. “Eu nem acredito que isso aconteceu! Fiquei no Detran durante todo o dia, peguei senha, enfrentei aquela bagunça que foi no ano passado, para nem fazer a prova prática. Eu reconheço que deixei para os últimos dias, mas o órgão não deveria ter vendido tantos laudos e não aumentar o efetivo. Não fiz a prova porque não tinha mais vagas”, reclamou o estudante.

O coordenador da Controladoria de Regularização de Trânsito (CRT) do Detran, capitão Jorge Assis, reconheceu que devido às mudanças, a quantidade de laudos vendidos foi o triplo a mais do que o normal, - contudo, ressaltou que não foi a demanda que prejudicou os candidatos. “O Detran enquanto órgão público não poderia impedir a população de comprar o laudo, foram vendidos muitos, mas temos estrutura para atender a todos, o problema foi que 85% deixou para os três últimos meses, sendo que poderia ter feito em 12 meses”.

Assis esclareceu que o Detran sensibilizado com a situação, realizou quatro mutirões para atender os candidatos com laudos com vencimento nesse mês, contudo, mesmo assim não teve condições de atender a todos.

Problemas com autoescolas geram transtornos

Além dos candidatos que perderam o laudo sem fazer a prova prática, há aqueles que só tiveram uma chance nas provas e foram prejudicados, por causa do fator tempo.  Os candidatos à primeira habilitação têm um prazo de um ano para realização dos exames médicos, provas teóricas e práticas, com direito a três oportunidades, com intervalos de 15 dias. Centenas de alunos, que deixaram para os últimos meses, só tiveram uma chance de serem aprovados e perderam. Esse foi o caso da enfermeira Adriana de Cássia Carneiro, que só procurou a auto-escola em outubro.

“Eu enfrentei aquela fila enorme do final do ano passado e não consegui cumprir as etapas porque esperei o tempo passar e pensei que fosse dar tempo. Passei de primeira nos exames médicos e no teste teórico, mas no prático eu perdi e não tinha mais vagas no Detran para esse mês de dezembro. Agora, infelizmente, vou ter que pagar tudo novamente e passar pelos exames”, disse a enfermeira.

Um outro problema enfrentado pelos futuros motoristas foi com os centros de formação, como a autoescola Siga Bem, localizada na Avenida Tancredo Neves, que em consequência do processo de renovação, onde os centros são vistoriados e têm que apresentar  documentos, não conseguiu sanar as pendências e prejudicou muitos alunos. A empresa disse que não estava conseguindo marcar provas no sistema do Detran desde  novembro e que depois o órgão não liberou as etiquetas.
Conforme o Capitão Assis, a referida autoescola estava com pendências de documentação, além de outras questões, e que muitos alunos procuraram o órgão pedindo ajuda.

“Mesmo com problemas, liberamos o sistema da Siga Bem, em média 80 alunos conseguiram agendar suas provas. Em casos de problemas com auto-escola, se a mesma não achar uma forma de resolver o problema do aluno, a pessoa prejudicada, respaldada no contrato de serviço e recibo, pode procurar o Procon, para que sejam tomadas as providências. Nesses casos onde o centro de formação, por problemas internos, não conseguem cumprir o contrato, o aluno tem que procurar a justiça”, ressaltou Assis.

As pessoas que desejam enfrentar a maratona para ser habilitado devem ficar atentas para o vencimento do documento e para a escolha do centro de formação de condutores, nesse caso, vale até questionar quando é o período de renovação da mesma, para não ficar a ver navios. Importante também chegar ao Detran se a autoescola está apta e não deixar o tempo passar.

SIGA A TRIBUNA
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Edição Online
(71) 3022-6046
Av. Magalhães Neto, 1856, Ed. TK Tower - Sala 619
Edição Impressa
(71) 3321-2161
Rua Djalma Dutra, 121, Matatu