TRÂNSITO AO VIVO
domingo, 28 de maio de 2017
FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE
Cidade

Cartões postais continuam desativados

Plano Inclinado Gonçalves está sem funcionar há dois anos

Publicada em 20/08/2012 11:33:49
O transporte de passageiros por planos inclinados e elevadores em Salvador pode ser um chamariz a mais para a projeção internacional da cidade com a aproximação da Copa das Confederações e da Copa do Mundo. No entanto, dois dos importantes meios de transportes que ligam a Cidade Baixa à Cidade Alta estão desativados e sem previsão para reforma. 
 
Entre os equipamentos estão o Plano Inclinado Gonçalves, sem funcionar há quase dois anos, e o Elevador do Taboão, desativado desde o ano de1959.
 
Como forma de protesto e revoltados com a situação, comerciantes do entorno do Plano Inclinado colaram cartazes na grade do equipamento com frases criticando a situação.
 
Em uma das faixas eles simulam o aluguel do equipamento. Muitos relatam que, por conta da desativação, o movimento do comércio local sofreu uma queda de quase 50% nas vendas, afastando turistas e baianos da área. 
 
Enquanto esteve em funcionamento, o Plano Inclinado era utilizado diariamente por milhares de turistas e baianos. Apesar de sua importância para a cidade, as obras anunciadas para começar em dezembro do ano passado não foram realizadas. 
 
A justificativa dos órgãos responsáveis para o não funcionamento do ascensor é a instabilidade da encosta que o sustenta. 
 
Sem nenhum guarda municipal para proteger o patrimônio, a frente do local virou estacionamento para motos.  
 
“Por aqui circulavam entre 8 e 10 mil pessoas por dia. Com a desativação sofremos um prejuízo incalculável”, desabafou o comerciante Raimundo Teles.  
 
Taboão
 
Durante 65 anos, o Elevador do Taboão, também conhecido como Balança do Taboão, equipamento que ligava a Cidade Alta (Baixa dos Sapateiros) à Cidade Baixa  (Comércio) transportou a população. 
 
No ano de 1959 o elevador foi desativado e nunca mais funcionou. A partir de então jamais sofreu qualquer intervenção do poder público no sentido de conservá-lo para colocá-lo novamente em operação. 
 
Moradores e frequentadores da área ainda sonham um dia com o elevador funcionando. “As autoridades poderiam criar um projeto para recuperar o equipamento. Com a chegada da Copa do Mundo, muitos turistas vão estar na cidade visitando o Centro Histórico. A recuperação do Elevador do Taboão seria um meio de transporte importante para baianos e turistas e um atrativo a mais para o bairro, ressaltando a história do lugar”, ressaltou Cid Santos, morador da região. 
 
Preocupante também é a situação do Plano Inclinado que liga o bairro da Calçada ao bairro da Liberdade, uma área importante por preservar a cultura negra baiana e ser bastante visitada por turistas. 
 
Apesar de estar em funcionamento, quem diariamente utiliza o equipamento nota visivelmente sua degradação. Dos dois cabos de aço que sustentam as duas cabines, apenas um está funcionando. Frequentadores relatam que na última semana, uma das cabines desceu em ritmo mais acelerado do que o normal, sendo que uma senhora que estava com uma criança caiu sobre algumas pessoas.  Na parte de baixo do equipamento há grande quantidade de lixo e poças de água.
 
“Não existe manutenção do Plano Inclinado. A parte elétrica está precária. Nem mesmo os funcionários são preparados para operar o equipamento. Centenas de pessoas arriscam diariamente suas vidas e nada está sendo feito para melhorar a situação. Diariamente as cabines dão defeitos”, desabafou o vigilante Josué da Silva, 44 anos, morador da Liberdade. 
 
A equipe da Tribuna entrou em contato com a assessoria de imprensa da Superintendência de Trânsito e Transporte de Salvador (Transalvador) para saber se existe algum projeto em andamento para a recuperação do Plano Inclinado, Taboão e a revitalização do Plano da Liberdade. Após  promessa da assessoria de que iriam disponibilizar uma fonte para falar sobre o assunto e enviar um comunicado sobre o fato, até o fechamento desta edição ninguém se pronunciou nem atendeu ao telefone. 

*Matéria de Leidiane Brandão publicada na versão impressa da Tribuna da Bahia
SIGA A TRIBUNA
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
EDIÇÃO ONLINE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE