TRÂNSITO AO VIVO
domingo, 23 de abril de 2017
FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE
Notícias

Igreja que serviu de cenário ao filme "Pagador de Promessas" será reformada

Sua escadaria de 55 degraus serviu de cenário para o filme

por
Chayenne Guerreiro
Publicada em 16/09/2014 21:50:48

Salvador vai ganhar uma de suas mais lindas igrejas de volta. O templo do Santíssimo Sacramento da Rua do Passo, no Centro Histórico da cidade, será restaurada, após 18 anos fechada.

Com custo de R$ 8 milhões, a obra é uma iniciativa do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) na Bahia, do PAC Cidades Históricas, e da Ordem Católica de Salvador, representada pelo arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger. “É uma obra muito importante, extremamente significativa, que foi cenário até de um filme, O Pagador de Promessas. É uma igreja com vida própria.

A obra de restauração é completa, ela atinge a parte artística, os móveis integrados, o forro, o teto, entre outras partes.

Com a execução destas ações, a Igreja do Santíssimo Sacramento da Rua do Passo, tombada pelo IPHAN em 1938, será totalmente restaurada, preservando a importante composição volumétrica de extraordinário valor arquitetônico e a população baiana vai poder finalmente contemplar todo o esplendor dessa belíssima igreja”, disse Carlos Amorim, superintendente do IPHAN.

Fechada há 18 anos, após a queda das telhas e forro, devorados por cupins, sobre o retábulo e o altar, a igreja finalmente vai poder contar com os recursos do PAC Cidades Históricas e do IPHAN, que vão promover a restauração dos bens imóveis, móveis e integrados, e da imaginária da Arte Sacra, locadas nos altares no interior da igreja.

De acordo com o arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, a obra representa muito, não só para a igreja católica, mas para toda a população. “Uma obra dessas não é só da igreja, é da comunidade. A igreja vai estar sempre aberta à visitação. É uma homenagem aos antepassados que construíram sozinhos essa obra magnífica. Temos que pensar também que Salvador é uma cidade de serviço, quanto mais obras tivermos para atrair o turista, mais serviço, mais emprego, e uma condição de vida melhor para todos,” disse Krieger.

A iniciativa é apenas um projeto que tem como objetivo a restauração de mais 30 pontos em Salvador, e 40 em todo o estado.

“É importante demonstrar que essa é apenas uma ação dentro de um enlace muito maior. O Pac Cidades Históricas é o maior investimento que o governo federal  já fez no patrimônio cultural. Essa é uma ação, entre as mais de  400 pelo pais inteiro, 30 em Salvador, e cerca de 40 pelo estado da Bahia, onde serão investidos mais de 200 milhões de reais,” explicou o diretor nacional do PAC Cidades Históricas, Robson de Almeida.

Segundo Almeida, o próximo passo é a reforma e abertura para o público do Forte São Marcelo. “Temos alguns exemplos de locais que vão passar pelo programa. Entre eles, a Igreja de São Domingos, o Forte de São Marcelo, a Catedral Basílica, os elevadores que ligam a cidade baixa à alta, entre outros,” contou.

368 anos de história

Construída em alvenaria de pedra e tijolo, no ano 1736, para ser a matriz da freguesia criada 18 anos antes. A Igreja possui subsolo (ossuário), térreo (capela-mor e sacristia) e pavimento superior (tribunas e coro).

A planta é típica das igrejas baianas do século XVIII, com corredores laterais superpostos por tribunas e sacristia transversal que, neste caso, dá acesso ao ossuário, em nível inferior. Sua fachada tem composição similar aos edifícios religiosos do período, com corpo central encimado por frontão e acesso do tipo arco do triunfo, flanqueada por torres terminadas em frontões curvos e cobertura piramidal.

Seu interior é neoclássico, onde destaca-se a pintura do teto, de autoria imprecisa, em perspectiva ilusionista barroca, de origem italiana. A monumentalidade do edifício é realçada pela escadaria que lhe é fronteira na encosta e estabelece uma ligação entre dois logradouros situados em cotas distintas.

Sua escadaria de 55 degraus serviu de cenário para o filme “O pagador de promessas”, em 1962, dirigido por Anselmo Duarte, com base na peça de Dias Gomes, vencedor da premiação Palma de Ouro, no Festival de Cannes, na França. 

SIGA A TRIBUNA
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
EDIÇÃO ONLINE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE