TRÂNSITO AO VIVO
sexta-feira, 28 de abril de 2017
FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE
Brasil / Economia / Mundo

Maggi diz que a China pediu explicações sobre "Carne Fraca"

"Até receber as informações, a China não desembarcará as carnes importadas do Brasil", destacou o ministro da Agricultura

por
Estadão Conteúdo
Publicada em 20/03/2017 14:22:22
Foto: José Cruz/Agência Brasil
Ele disse que a China foi único mercado a fazer comunicado oficial sobre o caso ao ministério

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse, por meio de nota divulgada nesta segunda-feira, 20, que a China pediu ao governo brasileiro explicações sobre a Operação Carne Fraca, desencadeada pela Polícia Federal na última sexta-feira, 17.

Segundo Maggi, o Brasil dará todos os esclarecimentos aos chineses o mais rápido possível. 

"Até receber as informações, a China não desembarcará as carnes importadas do Brasil", destacou o ministro, na nota. 

Ainda conforme o comunicado, nesta segunda à noite, o ministro terá uma videoconferência com autoridades chinesas para prestar esclarecimentos. 

O ministério disse também que, até o momento, a China foi único mercado a fazer comunicado oficial sobre o caso ao ministério.

Mais cedo, a assessoria do Ministério da Agricultura havia dito que China e Coreia do Sul já haviam informado a suspensão de importação de carnes brasileiras em consequência das revelações da Operação Carne Fraca, porém, sem divulgar notificação oficial

Conforme as primeiras informações da assessoria do ministério, a China havia suspendido os embarques programados por uma semana, enquanto a Coreia do Sul havia bloqueado apenas os embarques da BRF. 

A BRF disse que não foi notificada de nenhuma suspensão de importação de carne brasileira pela Coreia do Sul e União Europeia em razão da Operação Carne Fraca.

"Diferentemente do que vem sendo noticiado, a BRF informa que não recebeu nenhuma notificação oficial das autoridades brasileiras ou estrangeiras a respeito da suspensão de suas fábricas por países com os quais mantém relações comerciais, incluindo Coreia do Sul e União Europeia", informou a empresa, em nota enviada à imprensa.

SIGA A TRIBUNA
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
EDIÇÃO ONLINE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE