TRÂNSITO AO VIVO
domingo, 28 de maio de 2017
FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE
Bahia / Brasil

2018: vai ter um plebiscito travestido de eleição

por
Vitor Pinto
Publicada em 28/04/2017 07:43:21

Em conversa com um político, me chamou atenção a tese dele a respeito da eleição que está por vir. Ele me disse: vai ser um plebiscito, você vai ver. Fiquei a pensar: não é que está correto?

Tradicionalmente, nos últimos pleitos presidenciais, tínhamos a dicotomia entre os tucanos e os petistas. Volta e meia tentava surgir uma terceira via: foi assim com Marina Silva em 2010 e Eduardo Campos/Marina em 2014. Mas o discurso sempre se arrumava na divisão das classes, na economia brasileira e nas conquistas do pobre. Agora o cenário é outro.

E olhe que do cenário atual, baseado no desenrolar dos dias, tudo pode mudar e tudo pode acontecer.
Acontece que o mundo, além de voltar a se envergar pelas políticas mais neoliberais e de direita - fato que começa a se alastrar na América Latina, pois a esquerda luta para se manter no poder com velhos ideais regados de socialistas, mas são mais centro direita do que nunca - começa agora a criar uma aversão ao político tradicional.

O Brasil tem sofrido esse efeito. A intenção do público é buscar o administrador, mais do que o político. Contudo, baseado na cultura política que temos, principalmente com o legislativo formado, a barganha política fala mais alto do que a própria forma de administrar.
Os escândalos que envolvem a Lava Jato e demais falcatruas pesam no discurso do antipolítico.

“Não, eu não sou político, eu sou administrador”. Foi assim o “efeito pororoca” – batizado por Fernando Guerreiro no programa Roda Baiana da Metrópole FM – que levou Trump ao poder nos EUA e João Dória (PSDB) em São Paulo.


A tendência, baseado no atual cenário, é a de que tenhamos o ex-presidente Lula (PT) – com todo seu populismo, histórico e simpatia e um jeito mais informal, além das investigações judiciais – representando a velha política e João Dória – com uma simpatia um tanto forçada, mais formal, mas com foco no resultado – com discurso de nova política e do apolítico, mas assim mesmo o sendo.
O plebiscito será a velha política contra a nova.

Lula tem a preferência disparada atualmente, mas Dória começa se articular, pode dar o pulo do gato e encostar. Com o discurso, tende a bater de frente.

Resumindo: 2018, eleição após as grandes eclosões da Lava Jato e das listas de pedidos de abertura de inquérito, que podem resultar em arquivamentos de investigações, mas o estrago à imagem pública já fora feito, deve ser o divisor de água

SIGA A TRIBUNA
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
EDIÇÃO ONLINE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE