Joaci Góes - Tribuna da Bahia
TRÂNSITO AO VIVO
WhatsApp: 71 9206-5826
sábado, 31 de janeiro de 2015
FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE

Joaci Góes

Entre as várias manifestações que recebi sobre o meu último livro, (As) 51 personalidades (mais) marcantes do Brasil, é irresistível a tentação de publicar trechos do depoimento do grande jurista, magistrado, poeta e querido amigo de infância, Raymundo Laranjeira, pelo que contém de generosidade, humanismo, riqueza literária e lealdade aos valores republicanos:         

...”Recusei-me a ler o que você disse sobre Lula. Minha aversão ao Lula conta com um motivo mais forte: vem da circunstância de ter-me sentido traído pelo então Presidente, logo no início do seu primeiro mandato, quando se esquivou do projeto de um socialismo decente, o qual me dava esperança de, pouco a pouco, sonhar com um País melhor, e que ele destruiu. A seguir, também abjurou a ética, que era um valor que sempre tinha feito parte de sua pregação no Congresso, bem como da sua propaganda eleitoral para a Presidência da República.

 ...”Compreendo, no entanto, que tal sentimento nada tem a ver com o livro, já que o seu critério de autor foi o de explicitar os traços biográficos das personagens que tiveram destaque pessoal em algum instante da vida da Nação, fosse o comportamento delas do agrado ou não de alguém.

...”No cômputo geral do seu trabalho, você alcançou três grandes virtudes:

1) a primeira, a de ter construído a vantagem de elaborar biografias mais condensadas, o que trouxe, como consequência, maior proveito para o leitor,  ao passar a conhecer um grande  número de pessoas famosas;

2) a segunda, a de haver distribuído sabiamente os biografados, na conformidade de seus afazeres e aptidões bem diferentes, seja em função do esporte (p. ex. Pelé e Ayrton Senna), da música (p. ex. Villa-Lobos ,Tom Jobim e Vinicius de Morais), do Direito (p. ex. Ruy e Pontes de Miranda), da Medicina (p. ex. Oswaldo Cruz, Carlos Chagas e Pitangui), da política (p. ex. Getúlio, Juscelino e Prestes), da religião (Irmã Dulce e Chico Xavier), das artes em geral (p. ex. Aleijadinho, Niemayer e Portinari), da cultura erudita (p.ex. Machado de Assis, Castro Alves, Jorge Amado, Euclides da Cunha), da cultura popular  (Mestre Pastinha e Mestre Bimba), do reino das invenções (Santos Dumont), do jornalismo (p. ex. Assis Chateaubriand e Roberto Marinho), da Educação (Anísio Teixeira), da diplomacia (Rio Branco), das Forças Armadas (Marechal Rondon), e assim por diante;

3) a terceira, a de ter conseguido montar um verdadeiro caleidoscópio cultural, em face das variegadas informações que transitaram séculos de investigação em nossa multifacetária sociedade, o que envolveu, decerto, não somente as fontes livrescas de sua pesquisa, expressamente referidas na bibliografia, mas o saber de outras leituras que se dispersam na memória, com ou sem a marca dos autores, assim como a percepção dos acontecimentos de viagens, e ademais, a ciência de fatos vividos pela inquietude nas suas atividades, quer como empresário, quer como acadêmico, quer como político que foi e continuará sendo, quer como grande cultivador das relações humanas.

... “Agora, nessa sua tarefa de escritor, que tinha enveredado pela faixa literária da ensaística, com inusitados livros histórico-filosóficos, você encontra um novo filão, com outros dois aspectos que avultam nesta última obra:

1) a proporção adequada do que resultou escrito sobre muitos, pois que, nos dias de hoje, principalmente, há os leitores que não têm mais tempo para debruçar-se sobre estudos mais densos da espécie, exceto por algum especial mister investigativo, tanto quanto existem aqueles que tampouco se contentam com relatos de rapsódicas curiosidades;

2) o cuidado de se prender ao essencial de cada um, mesmo os que denotavam informes de vida singelos, como no caso de Mestre Pastinha, ou os que exibiam mais detalhadas  singularidades, como se vê na surpreendente descrição sobre Sarney,  que, à parte da perspectiva literária a respeito da qual eu já tinha parcial conhecimento, surgiu em sua visão como um homem afável e politicamente equilibrado, de postura diversa, portanto, daquela que eu supunha que tivesse, “poderoso chefão” das oligarquias maranhenses, que estaria bem próximo da truculência do “nosso” ACM.

... “Em resumo, a quantidade de biografias, colocadas em diferentes épocas e paragens, em bem dosada extensão de texto, faz de seu livro uma agradabilíssima aula de História do Brasil, valorizada pela revelação de episódios da vida particular e de vida pública até então desconhecidos do comum dos brasileiros, e enriquecidos pela linguagem culta, que atrai os aficionados da beleza do vernáculo.

... “Porém, com a mesma habilidade no modo de escrever, você atingiu, ainda, a façanha de revolver o idioma para um campo de características próprias, diversas das que vinha adotando, a fim de jogar com palavras típicas do mundo do futebol, como no verbete “Pelé” (mais que em “Ayrton Senna”), e assim amoldando-se a padrões mais especificamente populares, num competente exercício de linguagem.

... “Neste instante, permita-me abrir um parêntese para dizer-lhe algo que me tocou sensivelmente: o verbete sobre Luis Gonzaga % que foi o cantador de minha infância, antes de ter ido estudar e morar em Salvador, e, ainda ali, durante certo tempo da juventude. Nele, emocionou-me, em particular, a parte em que você diz que o grande compositor e sanfoneiro dividiu homenagens com seu pai, sêo Gôzinho % aquela hirta e agradável figura sertaneja, que me tratava com a maior amabilidade e a todos cativava. Pois foi justamente sêo Gôzinho (não me lembro mais se na primeira metade dos anos 60 ou na segunda) quem me fez a apresentação pessoal de Luiz Gonzaga, na Cidade Baixa, no momento em que ambos entravam ou saiam do Banco Real, aonde eu tinha ido tratar de algum assunto com Zequinha, nosso velho companheiro do Beco do General.

Todos estamos desejosos de que você venha logo com o 2º volume, que certamente, está em andamento”.

Colunas anteriores
Outras notícias: mais recentes · mais antigas
SIGA A TRIBUNA
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
EDIÇÃO ONLINE
PUBLICIDADE