Joaci Góes - Tribuna da Bahia
TRÂNSITO AO VIVO
WhatsApp: 71 9206-5826
segunda-feira, 25 de maio de 2015
FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE

Joaci Góes

Salta aos olhos dos analistas da cena mundial que todos os grandes problemas que afligem o Brasil derivam de nosso deficiente e desigual sistema educacional. Enquanto não compreendermos que só teremos uma democracia verdadeiramente digna desse nome quando formos capazes de dar acesso a uma educação de alto nível às populações mais pobres, continuaremos a sofrer as nefastas consequências da brutal desigualdade de oportunidades reinante, geradora do quadro de apartheid social que nos caracteriza. A sociedade excessivamente desigual que construímos no Brasil é o resultado da má qualidade de nosso ensino público, vítima, não raro, de uma combinação nefasta entre incompetência, corrupção, populismo e primarismo ideológico.         

A Nação acompanha estarrecida a declaração do governo de reconhecer a impossibilidade de financiar centenas de milhares de estudantes universitários, em consequência das medidas de contenção de gastos impostas pela crise que avassala o País.  Quem sabe calcular reconhece que bastaria uma fração do buraco aberto nas contas da Petrobrás, pelo consórcio formado pela corrupção e pela incompetência, para que esses jovens não tivessem retardado ou interrompido seus sonhos de conquistar um grau universitário.

Admitindo-se que o financiamento requerido seja, em média, de mil reais por aluno - e poderia ser a metade se houvesse gestão de qualidade -, com três bilhões e seiscentos milhões de reais, por ano, todos seriam atendidos em sua legítima aspiração. Comparem-se essas cifras com os oitenta bilhões surrupiados da Petrobrás, pela corrupção e pela incompetência! Observe-se, por oportuno, que não se trata de investimento a fundo perdido, mas simples financiamento a ser pago depois da conquista do grau universitário.

Na sociedade do conhecimento em que estamos inelutavelmente imersos, a conquista de um grau universitário, por si mesma, não assegura a ninguém acesso ao pleno bem-estar da cidadania, mas dá os instrumentos para competir sem as desvantagens que comprometem o futuro dos destituídos desse patamar mínimo de saber.

Adicione-se tudo isso à falta de critérios inteligentes na definição dos financiamentos, quando colocamos no mesmo plano os alunos que desejam cursar Direito e Administração, por exemplo, áreas em que já estamos mais do que atendidos, e àqueloutros que querem cursar Medicina e as engenharias de que tanto necessitamos.  

      O que causa natural revolta na população é saber que bastaria a supressão de um ou dois dos trinta e nove ministérios existentes no Brasil - a maioria criada, exclusivamente, para servir de pedágio pelo apoio de partidos da base -, para que este trágico corte na educação não se efetivasse.  

O BNDES é um banco mantido com recursos do Tesouro e foi criado para financiar projetos estruturantes do desenvolvimento nacional. Como nada há que seja tão estruturante do desenvolvimento como uma educação de qualidade, bastaria uma pequena fração das centenas de bilhões desviados de sua finalidade original para financiar com dinheiro barato o caixa dos “amigos”, para que, também, por essa via, tivéssemos poupado o País do constrangimento de assistir a um corte que fere fundo a alma de cada brasileiro consciente.

Quebraram a Petrobrás, quebraram a Eletrobrás, desviaram o BNDES de suas verdadeiras atribuições, e agora rebaixam, ainda mais, o já precário nível da educação brasileira. Nenhum país faz isso impunemente!     

Colunas anteriores
Outras notícias: mais recentes · mais antigas
SIGA A TRIBUNA
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
EDIÇÃO ONLINE
PUBLICIDADE