FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE

Joaci Góes

A queda do PT

Entre os analistas políticos, já não há quem acredite na possibilidade da reeleição de Dilma Roussef. Como sustentamos neste mesmo espaço, no dia seguinte ao fatal acidente aéreo, a morte de Eduardo Campos porá fim ao longo ciclo petista. 

Registre-se, em nome da verdade histórica, que há quatro anos, o governador Jaques Wagner previu essa possibilidade como uma decorrência natural do cansaço inevitável gerado por longos períodos de mando político.
    
Segundo a última pesquisa nacional, teremos um segundo turno entre Dilma e Marina, com folgada margem de vitória para a acreana. O delineamento, porém, de um cenário eleitoral confiável só ocorrerá a partir da segunda quinzena de setembro, quando se saberá até que ponto a corrente da racionalidade será capaz de recolocar Aécio Neves no páreo sucessório. 

O momento que estamos vivendo, segundo a interpretação de muitos, corresponderia ao ápice da reação emocional nascida do precoce e trágico desaparecimento do jovem estadista pernambucano. Cada vez mais incontroversa, porém, é a derrota de Dilma, nem tanto por suas qualidades pessoais, apesar de seu temperamento autoritário atrair muita animosidade, inclusive entre os companheiros de Partido, mas, sobretudo, pelo enorme desgaste do PT, em razão da montanha de escândalos que enodoam a biografia de uma agremiação que cresceu na pregação da ética e da honradez, princípios dos quais se distanciou como o diabo da cruz. 

As práticas desonrosas do governo petista superam o que de pior se observa em qualquer país do mundo, realidade que acabou resvalando para as unidades federadas, onde os candidatos petistas e seus aliados vão de mal a pior, como se verifica na Bahia. 

Tanto que nomes de expressão, entre os partidos aliados, excluídos do processo sucessório majoritário baiano, hoje dão graças a Deus por terem ficado de fora, ao tempo em que os contemplados com a cobiçada indicação se sentem, agora, a bordo do Titanic. Os nomes, de tão óbvios, prescindem de serem mencionados.
    
A pesquisa IBOPE não fez a simulação de um segundo turno entre Marina e Aécio por entender ser esta uma possibilidade remota, mas não impossível, já que os 35% de preferência por Dilma representam o teto máximo que ela pode alcançar, sendo, porém possível ou mesmo provável que não pare de cair, em razão do crescimento do universo de iletrados que apóiam o seu nome migrarem, decepcionados, para outras candidaturas. Mesmo remota, existe, sim, a possibilidade de que Dilma não passe ao segundo turno.
    
A possibilidade do crescimento do nome de Aécio Neves vai depender do grau de racionalidade do eleitorado brasileiro na escolha que fará entre propostas de caráter messiânico e aquelas derivadas da análise fria e competente de uma realidade social, política e econômica da complexidade da brasileira. 

É uma lástima constatar que nosso povo ainda não esteja preparado para discernir entre o possível e as quiméricas promessas do céu na terra, caminho seguro para a débâcle, como têm sido os casos de países como Argentina, Venezuela, Equador e Nicarágua, modelos de corrupção e ineficiência bolivariana seguidos pelo monstro político em que se transformou o PT nacional.
    
No bojo desses descaminhos, temos, no entanto, um grande motivo para festejar: a capacidade de resolvermos essas magnas questões em ambiente democrático, sem o tradicional recurso a quarteladas, ensejado pela Constituição Cidadã de 1988 que o PT, pela totalidade dos seus membros, se recusou a assinar.

Outras notícias: mais recentes · mais antigas
SIGA A TRIBUNA
Envie informações para a Tribuna
71 9206-5826
ÚLTIMAS
Valdemir Santana
00:07
Alex Ferraz
00:05
Antonio Larangeira
00:05
Michel Telles
00:05
Raio Laser
00:05
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE