Raio Laser - Tribuna da Bahia
TRÂNSITO AO VIVO
WhatsApp: 71 9206-5826
domingo, 1 de fevereiro de 2015
FIQUE SABENDO AGORA
PUBLICIDADE

Raio Laser

Estratégia
A articulação política do prefeito ACM Neto (DEM) já traçou um plano para que ele não fique refém da Câmara de Salvador depois do episódio da eleição à presidência da Casa que resultou também no rompimento com o PTN, do deputado federal eleito João Carlos Bacelar.

O plano consiste em não colocar nada de importante para votar no Legislativo durante o primeiro semestre, depois do que se imagina no Palácio Thomé de Souza que os focos de crise estarão de fato superados, impedindo que a oposição e eventuais descontentes possam se unir contra o governo municipal no Legislativo.

Embora a Prefeitura anuncie que deve enviar os polêmicos projetos do PDDU e da LOAS à Câmara apenas em julho, articuladores do prefeito acham que ele poderá antecipar o prazo, apresentando as matérias à Casa em maio, o que significa que seriam votados no início do segundo semestre.

Cobrança
O Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia (Sindsalba) aguarda que o Poder Legislativo baiano cumpra uma decisão judicial de incorporar os percentuais complementares de aumento diferenciado de 188 servidores efetivos da instituição.

Segundo o presidente do sindicato, Flávio Abreu, apesar de diversas tentativas de negociação e, mesmo com decisões favoráveis na Justiça, o presidente da Casa, deputado estadual Marcelo Nilo, alega não ter condições de, segundo ele, pagar uma dívida retroativa de R$ 307 milhões.

Empossado
O presidente reeleito do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia (CREA), Marco Amigo, tomou posse na manhã de ontem para o triênio de 2015 a 2017.

O dirigente fez um breve balanço da sua última gestão citando ações de modernização e novas práticas, como o Crea-Móvel, o Sanear Mais Bahia (projeto desenvolvido em parceria com a Funasa que vai beneficiar 50 municípios com até 50 mil habitantes) e a instalação de postos de atendimento do conselho no SAC Shopping Barra.

Revelou ainda que os desafios só poderão ser vencidos com um planejamento bem executado a partir de posições técnicas consideradas.

Crucificada
Diante dos escândalos envolvendo a engenharia brasileira (como na Operação Lava Jato), o presidente afirmou que os culpados precisam pagar pelos erros, mas que a engenharia nacional não deve ser crucificada.

“Escolhi minha profissão aos oito anos e trabalho na Petrobras há 34 anos. A empresa é o maior patrimônio do Brasil e deve ser preservada. Defendo a punição aos culpados e reformulação da governança corporativa na estatal”, ressaltou, destacando ainda a importância de acompanhar o ensino de engenharia.

Número de filiados
A presidente estadual do PRB, deputada Tia Eron, disse ontem que existe o interesse da legenda em aumentar o número de filiados em toda a Bahia.

Tia Eron conhece as dificuldades das mulheres e faz convocação para que elas entrem nessa luta, façam filiação na sigla e sigam nesta caminhada fazendo política direcionada para as famílias e o bem-estar do cidadão.

Democrática
A deputada acrescentou que a nova presidência do partido será democrática e está firme em seu propósito na busca por novos parceiros.

Eron diz ainda acreditar na força da mulher para a construção de políticas sociais igualitárias.

“Isso porque o PRB é um partido que respeita a dignidade e promove as mulheres”.

Para ela, a democratização da nova diretoria passa mais confiança porque o PRB é um partido ficha-limpa.

Tia Eron toma posse domingo como deputada federal, em Brasília.

Reprogramação
Um petista muito próximo ao governador afirmou ontem que, para sair do isolamento e recuperar a relação boa que já teve com os companheiros, o deputado federal eleito Luiz Caetano terá que fazer uma reengenharia.

“Ele precisa se reprogramar a cumprir a palavra, principalmente quando estiver no poder”.

Posse
O deputado federal Benito Gama (PTB) será empossado neste domingo para exercer o seu quinto mandato na Câmara dos Deputados.

 A sessão solene terá início às 10h.

“Sinto-me honrado em retornar àquela Casa legislativa. Atuo na vida pública e na política, que considero uma vocação. São anos de experiência, empenho, trabalho e propostas”, disse.

Segundo o baiano, o objetivo é continuar trabalhando na condução de ações para estimular a economia, o desenvolvimento regional e a valorização do interior do Estado.

“Vou honrar a confiança dos baianos e lutar para reformar o Brasil resgatando a credibilidade do país internamente e no exterior”, disse.

Auditoria
Haveria outro motivo para o fato de o petista Jorge Solla, ex-secretário estadual de Saúde, não vir dando trégua ao governo Rui Costa, a despeito de já ter tido uma parte de seus pleitos atendidos pelo governador.

Tudo residiria numa auditoria que está ocorrendo na secretaria estadual de Saúde, comandada por gente poderosa sob as vistas de Rui.

De volta
O vereador Paulo Magalhães Jr. (PSC) se diz bastante motivado para o retorno às atividades na Câmara Municipal de Salvador, emplacando o seu quarto mandato na Casa, onde já ocupou os cargos de 1º secretário, 1º vice-presidente e presidente.

Em conversa com a coluna, Magalhães Jr. confidenciou que pretende surpreender com um novo estilo de trabalho, que deve provocar debates acalorados no plenário.

O vereador é autor de projetos polêmicos, como a exclusividade para a circulação de micro-ônibus na Barra e a criação do roteiro turístico de Caramuru, no Rio Vermelho.

Demora
Articuladores do governador Rui Costa não ficaram nada satisfeitos com a notícia de que a instalação da JAC Motors teria ficado comprometida pela demora da Desenbahia em liberar os recursos do empréstimo de R$ 120 milhões autorizados pelo governador Jaques Wagner (PT).

Vem cobrança por aí.

Ajuste
Fiel ao estilo conciliador, Jaques Wagner (PT), ministro da Defesa, entrou ontem em campo defendendo que o governo federal não vai rever conquistas trabalhistas, apesar de as dificuldades financeiras da gestão Dilma Rousseff não apontarem para outra solução entre as que estão sendo buscadas no ajuste fiscal.

Defensoria
O defensor Clériston Cavalcante de Macêdo foi o candidato mais votado na eleição de ontem para o cargo de defensor público-geral da Bahia.

Por 145 votos a 120, ele liderou a lista que será encaminhada para o governador Rui Costa.

Em sua opinião, a vitória foi da democracia, pois teve que lutar pelo direito de concorrer.

A lista tríplice prevista em lei, excepcionalmente, será composta apenas por ele, que já foi subdefensor na gestão de Tereza Cristina Almeida Ferreira, e pela atual defensora pública-geral, Vitória Beltrão Bandeira.

Apoio em massa
Clériston Cavalcante teve o apoio de todos os ex-defensores e ex-presidentes da associação da classe (Adep), da qual foi secretário por quatro anos.

A bandeira levantada por ele foi de escrever uma nova história para a Defensoria, com democracia, transparência e maior aproximação com a classe, com os demais poderes e a com a sociedade civil.

Dos 267 defensores públicos, oito não compareceram.

Cada defensor pode votar em mais de um candidato.

Aviação
A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) comemorou, em sua página no Facebook, a implantação do voo Campinas-Feira de Santana, que será operado pela Azul Linhas Aéreas.

Em seu post, a parlamentar lembrou que o Programa de Incentivo à Aviação Regional foi implantado em 2010, quando o PSB estava à frente da Secretaria Estadual do Turismo.

Lídice também parabenizou a atual equipe da Secretaria do Turismo da Bahia e ressaltou que, em 2010, a Setur obteve junto à Secretaria da Fazenda a redução do ICMS para companhias que voassem dentro das cidades baianas.

Ascensão
Ninguém se surpreenda se o ex-secretário estadual Robinson Almeida não ascender a cargo mais importante do que o de chefe de gabinete do ministro Miguel Rosseto, da secretaria-geral da Presidência da República.

Em Brasília, se diz que a presidente Dilma Rousseff já percebeu que o ex-secretário é de “rocha”.

Apocalipse
A eventual eleição do deputado do PMDB, Eduardo Cunha, para a presidência da Câmara não significará “nenhum apocalipse” para o governo, na avaliação do ministro da Defesa, Jaques Wagner, um dos integrantes da coordenação de articulação da presidente Dilma Rousseff.

“Terremoto é sempre até o dia do acontecimento. Depois que acontece, no dia seguinte, fazer o quê? Recosturar as coisas”, comentou o ministro, destacando que Executivo e Legislativo têm “maturidade democrática suficiente para enfrentar divergências”.

Colunas anteriores
Outras notícias: mais recentes · mais antigas
SIGA A TRIBUNA
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
EDIÇÃO ONLINE
PUBLICIDADE